Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O Bom

por Rei Bacalhau, em 10.10.13

Num campo tão inexplorado como a mente humana é razoável pensar que ainda existe espaço para formular teorias sobre a organização mental. Pelo menos é isso que digo a mim próprio como desculpa para escrever tamanha parvoíce, como verificarão.

 

Eis a minha teoria:

 

A mente humana divide-se em três "sujeitos", e será assim que os irei tratar, como sub-pessoas. Eles interagem entre si e consoante as circunstâncias ambientais um poderá ser mais predominante que os outros, ou dois deles podem aliar-se contra o restante. No fundo, o objectivo de cada um é tentar assumir o controlo do corpo e tomar as decisões. Uma pessoa normal nunca existirá sem os três, pois aí ficaria descontrolada, guiada pelos desejos/ambições/medos imediatos do controlador mestre. São a essas pessoas que costumamos coloquialmente chamar de "malucos".

 

Já poderão ter adivinhado que os três sujeitos de que falo são o nosso lado Bom, o Mau e o Feio.

 

Note-se, no entanto, que estes três lados da nossa mente não são iguais para todos. As suas características são muito diferentes de pessoa para pessoa. Cada lado tem a sua própria personalidade, o que me levou a tratar cada um deles como pessoas efectivamente.  

 

Gostaria que fizessem um teste. Pensem numa pessoa qualquer, preferivelmente alguém que conheçam bem. Tentem identificar nessa pessoa a sub-pessoa Boa. O que é que ela faz de diferente? Como se comporta? Que características fazem dela Boa? Agora pensem no lado Mau dessa pessoa e repitam as perguntas... 

 

Agora pensem no lado Feio. Complicado, talvez? O que é que eu quero dizer com Feio? Eu explicarei isso melhor depois.

 

Hoje vou-me focar no Bom.

 

 

Por omissão, o lado Bom é aquele que está mais activo em mais pessoas, especialmente em ocasiões sociais. A nossa tendência para o conformismo, para a necessidade de aceitação social, despejada em nós desde crianças, implica que achemos normal sermos simpáticos com estranhos na rua que nunca conhecemos na vida (faço notar que estou a generalizar imensamente, sei bem que isto não é exactamente assim). Fomos ensinados assim e ensinaremos assim. Se o ser humano não fosse um bicho tão complexo isto criaria uma sociedade utópica, quase.

 

Certamente o lado Bom de uma pessoa é o menos complexo. Pouco nos surpreende vermos boa educação no dia-a-dia. Mas isto leva a um problema: o lado Bom de uma pessoa é identificado pela própria pessoa ou ou pelos seus interlocutores? É uma pergunta com uma resposta muito subjectiva e que me leva a pensar muito no assunto. Por um lado podemos achar que conseguimos identificar as nossas características sozinhos, perfeitamente conscientes do que somos. Por outro lado, se calhar subconscientemente adquirimos essas características através das interacções que temos com os outros.

 

Um exemplo, para clarificar: Eu posso achar que sou sou simpático de raíz, seja por que razão for. Na verdade pelo facto de me começarem a ter dito que sou simpático tornei-me tal. Ou vice-versa. Não consigo responder ainda qual dos casos será mais correcto...

 

O Bom é a nossa carapaça superficial para lidar com o mundo normal. Tem os seus pontos fortes e fracos. Como ponto forte principal eu identificaria a boa capacidade de interacção com as outras pessoas. Como fraqueza, eu atacaria a sua inconsistência; não conseguirá defender uma posição numa discussão, assimilando sempre a informação tida como certa pela sociedade. Isto normalmente implica que se não se questiona, também não poderá ser muito inteligente, ou livre.

 

Felizmente ou infelizmente, o Mau é o seu perfeito arqui-inimigo. Discutirei isso noutro dia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:45


2 comentários

De José da Xã a 10.10.2013 às 17:31

Introduzir-mo-nos no âmago de alguém é tocar deliberadamente num ninho de vespas. E sem ter a consciência do perigo que isso acarreta. Todavia...
Em alguns pontos não concordo contigo. Porque o homem, independentemente da sua inteligência, é um ser preparado para viver em sociedade como os outros animais.
E a bondade ou a malvadez de alguém depende da forma como cada um se relaciona com o outro...
Quem vive a pensar só em si ou para si, em contraponto a alguém que vale aos outros, não pode ser considerado uma boa pesoa. Obviamente que em determinada altura terá algo que o move para fazer o bem... mas sempre com um intuito enviesado.

De Rei Bacalhau a 11.10.2013 às 09:42

Essa agora....

O Homem nasce preparado para viver em sociedade? Inatamente não! É treinado desde criança a viver em sociedade. Põe uma criança na selva tipo Tarzan e vai buscá-lo 10 anos depois a ver se ele se dá bem contigo.

Já agora, se calhar não clarifiquei muito bem uma ideia. Sugiro que não caias na tentação de olhar para a palavra "Bom" que tantas vezes aparece no texto e a interpretes como o "Bom" normalmente usado pela sociedade (de uma pessoa simpática, prestável, etc. etc.). Por acaso foi o exemplo que eu dei, porque achei que seria mais fácil entender. No entanto, pode acontecer que o lado Bom de uma pessoa tenha características menos vulgares, como por exemplo a introversão. Sei lá, pode acontecer que seja uma coisa boa na pessoa por alguma razão, especialmente se o lado Mau e Feio forem bastante piores. Poderia também acontecer que o lado Feio, o "pior" deles todos, tenha características positivas.

É tudo muito subjectivo. Gostaria que conseguíssemos chegar à conclusão de que há possibilidade do nosso lado Bom, Mau e Feio ser avaliado e identificado por uma única pessoa, (nomeadamente nós próprios) mas parece-me bastante improvável pelas razões que disse no texto original.

Comentar post




calendário

Outubro 2013

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D