Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A Guerra - Parte 5: Set The World Afire

por Rei Bacalhau, em 19.01.17

1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | E

 

 

- Chefe, está tudo pronto.
O homem pegou num martelo que estava em cima da mesa. A casa onde estava tinha uma excelente vista para a cidade.

Chamavam a este homem o Prego. Era o miliciano mais temido pelo Inimigo, especialmente porque ele tinha o hábito de atravessar a fronteira e causar destruição cega no território deles. Tinha um grupo enorme de milicianos fanáticos que o seguiam para as missões mais arriscadas.

Nunca alguma tinha sido tão insana como esta. Levou-lhes vários meses de preparação, mas agora estava tudo pronto.

O Sol nasceu.

O Prego nada disse. Entrou num carro e circulou calmamente para o centro da cidade, cidade essa que era a capital do Inimigo. Ouviu uma música alegre na rádio e começou a cantar, exortando os seus companheiros a acompanhá-lo.

Pararam à frente de um edifício com um gradeamento a toda à volta. Era uma escola. O contínuo que cumprimentava os jovens que iam entrando estranhou a paragem do carro. Saíram de lá cinco homens. Estavam fortemente armados. Antes que pudesse dar o alarme já estava encostado contra a grade, pintada agora de vermelho.

O Prego fez uma chamada no telemóvel.

Explosões imensas ouviram-se pela cidade fora. A Milícia do Prego estava à solta no que sabiam ser essencialmente uma missão suicida. Bombas incendiárias detonaram-se nas estações de metro e comboio, hospitais, estações de polícias e de bombeiros, escolas, centros comerciais e qualquer outro sítio que tivesse grande afluência de civis.

Os milicianos tinham passado a noite inteira a matar polícias nas suas casas. Muitos concentravam-se em demolir as esquadras deles para minimizar a resistência imediata.

O pânico era geral. Os cidadãos inocentes tentavam escapulir-se daqueles homens insanos e terríveis que estavam a incendiar tudo à sua passagem.

A capital nunca tinha sido alvo directo na Guerra. Talvez compreendessem agora o que o próprio exército deles estava a fazer ao país que tinham invadido.

- Matem tudo. Queimem tudo. Sem discriminação.

Os milicianos disparavam contra tudo o que se mexesse, inclusive animais. Demoliam edifícios inteiros, quase todos irrelevantes em termos de importância estratégica. Quebraram todas as convenções quando invadiram hospitais cheios de feridos e lançavam granadas para os quartos e corredores apinhados de feridos e doentes indefesos.

Ao longo do dia, a resistência inimiga foi-se organizando. Tentavam proteger a evacuação de civis e aglomeraram-se em pontos estratégicos para este efeito.

- Estou? - berrou o Prego quando o telemóvel tocou. - Fala mais alto!... Sim!... Está bem, dêem-lhes, força! - desligou a chamada e virou-se para os que o acompanhavam, agora apenas dois. - Ponham as máscaras.

Pegaram em granadas de fumo e lançaram-nas para todo o lado, especialmente, se possível, para os aglomerados do Inimigo. O fumo, aparentemente inofensivo, tinha na realidade agentes químicos poderossíssimos e letais para quem os respirasse.

- Estes são os gases que vocês usaram contra nós! Isto é pelo massacre de Carfes, Almujoz e de Vila Xicho! Respirem e morram! Sintam-se a arder por dentro!

A população e os soldados atacados não tinham protecção contra os gases. Alguns milicianos também foram apanhados, pois nem eles sabiam que o Prego iria lançar aquela nuvem mortal.

Centenas e milhares morreram, pois as nuvens propagavam-se rapidamente pela cidade ventosa.

A força militar do Prego era impressionante para uma milícia. Dizia-se que tinha mais de mil homens, sem contar com outros grupos separados que se juntaram à luta nas imediações da capital.

Mesmo assim, a meio da tarde chegaram os reforços Inimigos em peso, e retomaram à força as partes controladas pela milícia. Um a um, os milicianos caiam, alguns deles a explodir consigo próprios.

Pouquíssimos milicianos sobreviveram ao ataque e ainda menos conseguiram escapar.

O final da Guerra aproximava-se. As milícias haviam feito o seu trabalho o melhor que podiam. Apenas restava o sentimento de vingança cega, louca e indiscriminada. Não seria sem cicatrizes que eles ganhariam a Guerra.

E verdadeiramente não foi. A capital Inimiga ardia e fedia a morte.

Nunca encontraram o corpo do Prego.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:00




calendário

Janeiro 2017

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D